Jairo Marques

Assim como você

 -

Jairo Marques, que é cadeirante, aborda aspectos da vida de pessoas com deficiência e de cidadania. Aqui, você encontra histórias de gente que, apesar de diferenças físicas, sensoriais, intelectuais ou de idade, vive de forma plena.

Perfil completo

Publicidade

Datafolha inédito revela a percepção dos brasileiros sobre a presença de cadeirantes na mídia

Por Jairo Marques
Paraolimpíada do Rio, um dos poucos momentos em que cadeirantes ganharam destaque de mídia

O que era uma mera percepção, embora legítima, de grupos de pessoas com deficiência e seus expoentes, agora, está comprovado em inédita pesquisa nacional: cadeirantes aparecem pouco e mal retratados na mídia brasileira.

A conclusão é de levantamento feito pelo Datafolha, instituto ligado à Folha, em parceria com a ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing), que ouviu 2.080 pessoas em 149 municípios do país, entre 9 e 17 de maio deste ano.

Os filmes nacionais são, de acordo com a pesquisa, onde cadeirante menos aparecem (35%). Já os noticiários é onde, segundo os entrevistados, mais aparecem pessoas em cadeira de rodas (55%).

Particularmente, não me lembro de filme brasileiro com personagem em cadeira de rodas com algum grau de relevância. Normalmente, aparece em cenas de hospital ou em tragédias. Em noticiários, cadeirantes são vistos falando de inclusão, acessibidade, reclamando da vida…

As fatídicas novelas, históricas formadoras de esteriótipos e de conceitos equivocados em diversos sentidos sobre a deficiência física, foram apontadas por 48% dos entrevistados como meio em que aparecem cadeirantes.

A atriz e empresária Tabata Contri, uma das únicas cadeirantes reais a fazer novela no Brasil e retratar a vida de uma pessoa com deficiência

Muito recentemente, houve um movimento por parte de algumas agências de publicidade de “incluir” diversidade em suas peças. Aos poucos, descobre-se que essas pessoas também consomem, tem predileção. A participação maior ainda é em comerciais de instituições de governo (até por pressões legais, de grupos, etc). Os resultados, porém, ainda não agradam a população.

Segundo o Datafolha, 38% das pessoas avaliam que cadeirantes aparecem menos do que deveriam em comerciais e apenas 23% veem alguma verdade com a realidade vivida por eles (nós) no dia a dia.

Para 71% dos entrevistados, ou o cadeirante tem sua imagem muuuuito positiva ou muuuuito negativa. O número diminui quando se trata dos noticiários (65%).

Esse dado também é muito próximo do pensamento que percorre os grupos de pessoas com deficiência. O retrato que tiram de nós, em geral, é distorcido: ora somos sofredores, dignos de pena, ora somos heróis que devem guiar toda a sociedade.

Ser representado como “herói” aparece em 73% dos entrevistados pela pesquisa, enquanto 62% aponta a representação como pessoas “doentes” e que precisam de atenção dos outros.

Por fim, o levantamento indica que 53% discordam que a imagem dos cadeirantes apareça como de pessoas comuns, sem necessidade de atenção especial.

Cadeirante enfrentando dificuldades no transporte público, pauta das mais comuns de representatividade da pessoa com deficiência

O dado me abre dois caminhos: os pesquisados avaliam que a mídia tem lá um cuidado em mostrar que pessoas com deficiência tem demandas específicas, que devem ser respeitadas ou pode indicar ainda que o tratamento dado aos cadeirantes é diferente, sem pé de igualdade.

A pesquisa, evidentemente, tem algumas variações (nenhuma extremamente expressiva) de acordo com a faixa de renda, instrução ou região de moradia dos entrevistados. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

O segundo substrato do Datafolha/ESPM é sobre política e cadeirantes, também bastante interessante. Trago os dados ainda nesta semana!

Blogs da Folha

Versão impressa

Publicidade
Publicidade
Publicidade