Jairo Marques

Assim como você

 -

Jairo Marques, que é cadeirante, aborda aspectos da vida de pessoas com deficiência e de cidadania. Aqui, você encontra histórias de gente que, apesar de diferenças físicas, sensoriais, intelectuais ou de idade, vive de forma plena.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Mãe faz relato tocante sobre amor ao filho que sobreviveu ao aborto e contraiu deficiências

Por Jairo Marques
Silvia e o filho Nickcollas, hoje com dez anos

A rejeição à criança com deficiência é uma realidade no mundo todo, por mais que pareça algo pouco cabível ao “serumano”. O peso de ter um bebê afetado em suas funções motoras ou sensoriais é muito vezes maior do que um potencial de amor, de construção de uma vida para o mundo.

Neste dia das mães, proponho um texto em que essa questão é levada ao extremo: uma mulher que resolve amparar um bebê que sobreviveu a um aborto, mas ao custo de desenvolver uma série de limitações.

O intuito aqui não é dar lição de moral ou abrir discussões que cabem ao íntimo feminino. O que importa a este espaço é tanto a força de viver como a fundamental importância do apoio para que se viabilize a existência de um ser em sua diversidade, qualquer diversidade.

Importa também conscientizar sobre um problema social e de saúde que pode ter repercussões enormes se não for enfrentado com seriedade.

Agradeço demais ao relato corajoso da Silvia Prin Grecco, que serve como inspiração, reflexão e tomada de atitude, e ao Nickollas, por emprestar seu brilho a esta página.

Quando a vida é amor

Ser mãe, para mim, é dádiva, é mistério, é amore ao mesmo tempo uma tarefa desafiadora. Como tantas mulheres, experimentei a maternidade gerada no ventre, e tive o privilégio de também gerar no coração. Isso me fez entender que o amor pelo filho é único, não tem distinção.

Dois filhos, duas histórias, Márjori e Nickollas. Márjori, com 30 anos, uma linda filha. Arquiteta de formação, mãe, cúmplice, amiga, irmã dedicada, filha abençoada. Nickollas, com dez anos, um príncipe, lindo, meigo e surpreendente.

Silvia com os dois filhos: Márjori e Nickollas

Veio ao mundo com apenas cinco meses de gestação, pesando 500g após a prática de um aborto provocado. Adotei o Nickollas com quatro meses de nascimento. O desejo de adotar levou-me aos trâmites legais junto à vara da Infância e da Juventude e entrar na fila de adoção.

Processo durou cerca de sete meses.Uma burocracia necessária; porém, não tão demorada como se pensa. Durante a entrevista com os técnicos do fórum, não fiz nenhuma exigência em relação a cor dos olhos, idade, sexo, nada. Desejava apenas receber em meus braços, aquele que chamaria de filho, gerado em meu coração.

Certamente um ato de amor!

Adotar não é caridade, é um ato de amor! Caridade é algo pontual, adotar é receber um filho para sempre. É ter a responsabilidade na criação, na educação. É enfrentar desafios. Soube desde o início que, por conta da prematuridade, não houve a formação da retina, tendo como sequela uma retinopatia da prematuridade grau 5, ou seja, meu filho tem deficiência visual, é cego completamente.

Isso não foi motivo para não adotá-lo. Embora entendesse que a tarefa não seria fácil, uma experiência nova, desafiadora, bastou recebê-lo em meus braços para o amor desabrochar, e minha vida tornou-se com ele uma festa. Uma euforia tomou conta de mim e da minha família.

Depois de seis anos, identificamos mais uma deficiência: autismo de grau leve. Novo desafio e aprendizado. Estava ele ali, precisando do seu tempo para assimilar todas as informações que circulavam ao seu redor.

Ele vivendo em seu mundo à procura do aconchego, do carinho, da atenção no momento certo, no momento dele. Apenas dele. Esse processo gerou no meu íntimo uma inquietação e muitos questionamentos em relação à deficiência e ao aborto.

Não quero entrar no mérito da religião quanto ao aborto, tampouco no julgamento da mulher que assim decidiu. Fui batizada e criada nos preceitos da Igreja Católica que é contra a prática do aborto. Eu, particularmente, também sou.

Porém a mulher acaba sendo vítima de julgamento e de preconceito perante o olhar de uma sociedade que julga, condena e não costuma perdoar. Não quero incorrer no mesmo equívoco. Pensei sobre as circunstâncias, sobre as razões pessoais daquela mulher que havia optado por dizer “não” a uma vida, a vida do filho que estava sendo gerado em seu ventre.

Razões que, com certeza, ela carregará em seu íntimo e que servirá para justificar ou não o seu ato por toda vida. De coração, não me cabe julgar. A minha única certeza é que aquele “não” transformou-se em duas vitórias. A vida que persistiu, pois o feto sobreviveu, e a nova vida que ganhei, uma vida que me faz a mulher e a mãe mais feliz do mundo.

Muitas mulheres, com certeza, carregam a culpa por entenderem, ainda que intimamente, que praticaram um ato pecaminoso – como rotula parte da sociedade – e que não serão “perdoadas”, o que causa, não raro, muitos transtornos psicológicos.

Muitas dessas mulheres são crucificadas, sim! Creio que necessitam de apoio, amparo, colo e não de julgamento. Sou cristã, defendo a vida em todas as circunstâncias, sou contra o aborto, mas jamais julgaria esse ato, até porque o Deus em que creio é o Deus que representa o amor.

Difícil esse tema; porém, necessário e relevante. É urgente que se coloque luz nesta discussão. Por mais complexa que seja. No caso do meu filho, ele sobreviveu! Sobreviveu e presenteia nossa família com a oportunidade do aprendizado, de humanidade, de amor.

Nickollas, meu filho, nos ensina, dia a dia…

Que o sentimento dele é o mais puro e sincero.

Que a beleza e o belo estão no contexto da bondade.

Que o toque, o abraço, as mãos, nos reconhecem e nos acariciam.

Que a música expressa o sentimento da alma e nos leva à outra dimensão.

Que a presença é marcante, que basta estar para sentir.

Que o sabor identifica a cor. Que o silêncio é necessário para escutar.

Que nossa voz e nosso cheiro nos tornam únicos.

Que todo dia é dia de recomeçar.

Que não devemos ter piedade, que basta oferecer oportunidades.

Que esse pequeno me torna maior, maior na minha coragem de seguir em frente.

Que é preciso enxergar com o coração.

Que a minha mão segura ensinará para ele o caminho a ser seguido para ser independente e feliz.

Que eu não serei eterna e, por isso, preciso ensiná-lo a seguir em frente.

A maior herança que meus filhos receberão de mim será a educação, os valores, os ensinamentos de respeito e amor ao próximo em todas as circunstâncias, a humildade e o agradecimento. Mas, principalmente, o amor.

O amor mais puro e verdadeiro,

O amor de uma mãe pelo seu filho.

Parabéns a todas as mães pelo nosso dia.

O dia de celebrar o amor em sua plenitude.

Silvia Prin Grecco

Blogs da Folha