Jairo Marques

Assim como você

 -

Jairo Marques, que é cadeirante, aborda aspectos da vida de pessoas com deficiência e de cidadania. Aqui, você encontra histórias de gente que, apesar de diferenças físicas, sensoriais, intelectuais ou de idade, vive de forma plena.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Big Brother Brasil vai ter a primeira pessoa com deficiência de sua história

Por Jairo Marques

marinalva

 

Era uma demanda antiga do povo “malacabado”: ter um representante no maior reality show do país, o BBB. A TV Globo demorou 17 anos, mas atendeu ao pedido: a paraatleta Marinalva de Almeida, 39, vai estar na próxima edição do programa.

Competidora de vela, Marinalva é amputada da perna esquerda e chegou a competir na Paraolímpiada do Rio, no ano passado. Ela não chegou a conseguir pódio, mas marcou a presença brasileira na modalidade. Até os 35 anos, ela era atleta do atletismo.

Marinalva entrou para o time dos quebrados após um acidente de moto quando tinha 15 anos. Reabilitou-se e “empoderou-se” com a prática esportiva.

marinalva2

A presença dela no show não deixa de ser um passo importante para a divulgação da diversidade no Brasil, embora o foco do programa esteja bem distante de causas sociais.

Na vinheta de apresentação da paraatleta, a Globo diz que a ideia da edição deste ano é valorizar as diferenças entre as pessoas. No mínimo, com a exposição de Marinalva e seu jeito de tocar a vida, uma série de discussões podem ser geradas, para bem ou para piadas, evidentemente.

marinalva3

Marinalva, que nasceu no interior do Paraná e é mãe de três filhos (Robert, 20, Pedro Henrique. 15, e Bento,8), está “confinada” desde a manhã desta quarta-feira (18), sem contato com o “mundo externo”. Pelas vinheta divulgada, afirma que vai “causar” na casa, seja lá “gzus” o que isso queira dizer…

Ela começou treinando vela pelo Estado de São Paulo, na represa de Guarapiranga, mas mudou-se para o Rio em 2015, para treinar mais intensamente.

Sua principal conquista é um bronze na Welcome to Rio, Regata 2016, no Rio. Ela é “proeira” na classe SKUD-18.

Ela foi a única mulher da vela no time brasileiro, é extremamente vaidosa e acabou de participar de uma propaganda de uma marca de cerveja que valoriza, também, a diversidade.

marinalva4

Tomara que seja positivo para a inclusão, para a quebra de preconceitos, para a valorização da imagem das pessoas com qualquer tipo de deficiência.

Nas redes sociais, a atleta sempre se posicionou contra os “miminis” de “exemplo de superação” e defendeu uma postura mais moderna em relação à inclusão. É ver pra crer

* Imagens de arquivo pessoal

Blogs da Folha