Jairo Marques

Assim como você

 -

Jairo Marques, que é cadeirante, aborda aspectos da vida de pessoas com deficiência e de cidadania. Aqui, você encontra histórias de gente que, apesar de diferenças físicas, sensoriais, intelectuais ou de idade, vive de forma plena.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Multa mais cara adianta?

Por Folha

Desde a semana passada, quem enfiar a charanga sem necessidade e direito em vagas de estacionamento reservadas ao povo quebrado das partes ou idoso está sujeito a tomar multa com valor aproximado de meia leitoa: R$ 127,69.

O custo mais do que dobrou em relação ao antigo, infração de categoria leve; mesmo assim, permanece uma pechincha comparado às 1.000 libras —quase 6.000 dilmas—, aplicadas em Londres ou aos 450 dólares canadenses (cerca de R$ 1.300), praticados em Toronto, que estuda elevar mais a soma neste ano.

Não me surpreendeu, porém, que, durante um passeio de final de semana com a “famiage” no shopping, rodei mais do que bolsinha na rua Augusta para encontrar um lugar que me coubesse para estacionar.

Tenho duas possibilidades para aquela situação: ou aconteceu uma rebelião no Hospital das Clínicas e todos os cadeirantes saíram de lá de uma vez para passear no mesmo centro de compras que eu, ou ninguém ligou de imediato para o incremento da medida.

Mais do que punir com cento e poucos contos no bolso os infratores, é preciso que eles saibam e entendam “difinitivamente”, como diria minha tia Filinha, que serão fiscalizados em qualquer lugar, terão um enrosco burocrático imenso porque os carros poderão ser guinchados e que a vaga reservada ocupada irregularmente afeta de maneira desconcertante a vida de
outras pessoas.

Por enquanto, é tudo um faz de conta. Em repartições privadas, sobretudo, reina o quem chega primeiro à vaga. Morre-se de medo de desagradar a um cliente e nada se faz contra quem atropela um
direito alheio.

Embora deixar um papelinho no para-brisa do carro dizendo “a casa caiu, você foi multado por prejudicar o ir e vir de uma pessoa” possa ter algum efeito na diminuição dos perrengues, é com pressão de fiscalização que a moda do respeito há de pegar.

Na Alemanha e nos Estados Unidos, as multas pelo uso irregular das vagas não chegam a provocar síncope em corações mais fracos, mas a rapidez com que é feita a remoção do veículo e a facilidade de fazer uma denúncia que gere o rebocamento desestimulam correr o risco.

Sou desses que adoram fumar o cachimbo da paz em prol de soluções mais cidadãs para os entraves sociais, mas as pessoas com deficiência no Brasil já queimaram muito o estômago de chateação diante da tosca justificativa “é só por um minutinho” que se usa como argumento para a parada indevida.

A médio e longo prazo, apostar forte na educação de crianças e jovens para um trânsito com cidadania também tem potencial e pode surtir efeito.

O que não dá é deixar que improvisações como a chamada multa moral —papelinho que brinca de multar e alerta sobre a situação irregular de estacionamento— ou vídeos engraçados na internet façam a vez de ações de Estado.

Talvez futuras gerações consigam assimilar de maneira mais decisiva, sem a necessidade de intragáveis punições financeiras, que medidas de promoção de igualdade —como é o caso da demarcação de uma vaga de estacionamento bem localizada e maior— não são regalias, mas maneiras fundamentais de incluir.

Blogs da Folha