Jairo Marques

Assim como você

 -

Jairo Marques, que é cadeirante, aborda aspectos da vida de pessoas com deficiência e de cidadania. Aqui, você encontra histórias de gente que, apesar de diferenças físicas, sensoriais, intelectuais ou de idade, vive de forma plena.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

Dez perguntas geniais para (não) fazer a um cadeirante

Por Jairo Marques

É muito provável que você que não é do universo dos “malacabados” já tenha feito ou pensado em fazer alguma das perguntas abaixo para um cadeirante. É do jogo, não se preocupe e não se ofenda! A curiosidade é nata do “serumano”.

Por outro lado, nós, os quebrados, ouvidos as indagações por várias e várias vezes na vida e, por isso, vira lenda, vira motivo de graça e até dá no saco ter de pensar em alguma resposta. A questão não é “não poder perguntar”, mas tentar elaborar um pouco mais o pensamento ou tentar se colocar no lugar do outro para evitar saias justas!

A dica do post foi da Danieli Haloten www.danielihaloten.com.br, que é cega e também passa por situações hilárias com as perguntas que recebe. Vou fazer outras publicações com perguntas cretinas feitas para outros times!

1- É de nascença?

Nunca entendi a razão dessa pergunta. Qual a diferença em saber se nasci “alei” ou se fiquei estropiado ao longo da vida? De qualquer maneira, “nascença” não provoca deficiência, mas, sim, doenças, má-formação, dificuldades no parto etc…

2 – Por que você não usa aquelas cadeiras elétricas?

Primeiramente, porque não quero morrer eletrocutado… 😛 . Cadeiras motorizadas, geralmente, são mais úteis para pessoas com deficiências muito severas ou que não tenham força muscular nos braços suficiente para tocar uma manual. Pessoas que podem se virar, devem mesmo usar as manuais, o que evita atrofia muscular e ajuda na vascularização e no funcionamento de todo o corpo.

cadeira-eletrica

3 – A cadeira vai no carro com você?

Muito comum entre taxistas, perguntar se a “cadeira vai com o cadeirante” é o mesmo que perguntar se a dentadura vai com o banguela, se o carrinho vai com o bebê, se a bike vai com o ciclista.

4 – Como você faz pra tomar banho?

Primeiramente, tiro a roupa, depois, ligo o chuveiro e tals… 😳

5 – É verdade que se botar fogo na sua perna você não sente?

Aos baloeiros de plantão, é muito perigoso brincar com fogo, ainda mais no corpo dos outros. A sensibilidade dérmica é diferente para cada pessoa com deficiência. Algumas, têm sensações táteis profundas, algumas, em apenas alguns pontos dos membros inferiores e tals. Não há verdades absolutas a respeito dessas sensações.

fogonorabo

6 – Você não anda nem um pouquinho?

Essa costuma ser lançada quando o “malacabado” está com cara de cachorro que caiu do caminhão de mudança aguardando o embarque em um buzão ou em uma aeronave. Oras, se eu fosse capaz de andar “um pouquinho” não ficaria aguardando ajuda para me locomover ou eu mesmo iria anunciar a possibilidade de me virar em algumas situações, pô!

7 – Como você faz para transar?

Arrumo alguém disposto a fazer o mesmo, desabotoou a calça e… 😯  Mas, às vezes, vai de roupa, mesmo. O que importa é ter desejo e disposição para o sexo. Como fazer, cada um tem lá seus mecanismos, predileções e adaptações.

transa

8 – Cansa muito os bracinhos, né?

Embora não seja propriamente uma pergunta, pois já adianta uma resposta, essa interrogação também não faz muito sentido. Todo exercício praticado com frequência cansa. Quando vir o cadeirante com meio palma de língua para fora, nem precisa perguntar, também, ele tá cansado. Pode, sim, oferecer ajuda, mas ela poderá ser útil ou não!

9 – Você dorme sentado?

Eu e qualquer pessoa com sono atrasado, que esteja achando o filme chato, que demore muito para ser atendido no médico, né? Via de regra, durmo deitado, mesmo.

10 – Sua bunda não dói?

Imagino que haja bundas bem mais expostas à dor que a minha ou a de qualquer cadeirante, a de gente que rebola muito, por exemplo! Estar sentado não significa estar estático. O povo quebrado se reacomoda no assento, mexe um pouquinho para cá e para lá. É comum, também, o uso de almofadas especiais, que diminuem o impacto da pressão (ui) na bunda e tornam o sentar por muitas horas seguido mais tranquilo.

bunda

* Imagens retiradas do google imagens

Blogs da Folha

Versão impressa

Publicidade
Publicidade
Publicidade