Jairo Marques

Assim como você

 -

Jairo Marques, que é cadeirante, aborda aspectos da vida de pessoas com deficiência e de cidadania. Aqui, você encontra histórias de gente que, apesar de diferenças físicas, sensoriais, intelectuais ou de idade, vive de forma plena.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

Comprou na planta? Exija acesso total!

Por Jairo Marques

Meu povo, consegui sair das catacumbas e acho que terei energia para chegar com o blog até o Natal, que parece que não chega nunca kkkkk 😆

O tema de hoje é recorrente: moradia que tenha condições de acesso universal, ou seja, que possa ser utilizada pelo público mais diverso possível com facilidade.

A maneira mais garantida atualmente de ter uma casa que contemple as peculiaridades do povo “malacabado” é comprando um imóvel na planta. Dessa maneira, é possível acompanhar todo o processo de construção da “goma” e tomar medidas corretivas de forma antecipada.

Embora o pleno acesso em condomínios esteja garantido por lei, há questões que emperram o acesso como falta de condições financeiras do prédio para promover as obras necessárias, arquitetura muito antiga e cheia de rococós, conselhos deliberativos pouco amigáveis que forçam a pessoa com deficiência a procurar a Justiça (e ganhar, sempre!).

Já tive algumas experiências com moradia e carência de acessibilidade, tanto em áreas comuns como dentro do próprio apartamento. Para resolver ou atenuar os perrengues, algumas dicas são fundamentais: nunca achar que estão fazendo “um favor”, que estão criando algo “específico” para um morador, procurar um profissional com experiência em desenho universal para ajudar a pensar estratégias de otimização dos espaços, ter consciência de que é DIREITO básico ir e vir, ainda mais em um lugar como a própria casa.

Bem, mas, neste ano, estou conseguindo vivenciar um momento totalmente novo em relação a uma morada que me acolha adequadamente juntamente com as minhas quatro rodas. Depois de uma longa espera (três anos), recebi um apartamento que comprei na planta.

“E deu tudo certo, tio? Fizeram lá umas rampinhas?” 🙄

Tive a preocupação, e é muito importante que o povo quebrado das partes também se lembre disso, na hora de firmar um contrato de compra e venda, de exigir que a planta do apartamento estivesse registrado: com total acessibilidade e que já constasse no documento um desenho dos acessos.

É necessário ficar “no pé” das construturas para que qualquer medida que dê plenas condições de uso do apartamento por parte de um cadeirante ou de uma pessoa com mobilidade reduzida seja, de fato, tomada e vire realidade.

Elas costumam, com frequência, esquecer “detalhes” como altura das pias, portas estreitas em banheiros secundários, como suítes ou lavabos ou lavandeira. Oras, se um cadeirante é morador, ele precisa entrar e sair em tooodos os cômodos da “goma”, caso contrário, não é acessível.

No meu caso, em dado momento da obra, fui convidado a mostrar, dentro da minha unidade, o que eram minhas necessidades: todas as portas com 90 centímetros, interruptores mais baixos, banheiros com barras de apoio (sendo um deles com ampla possibilidade de giro), rampa para chegar à varanda, louças de acionamento fácil, piso sem obstáculos para o trânsito de um cômodo para outro.

Rampa feita para acessar a varanda do apto
Rampa feita para acessar a varanda do apto
Barra de apoio em todos os banheiros
Barra de apoio em todos os banheiros
Portas com vão de 90 centímetros e pia com torneira de fácil acionamento e altura na medida do cadeirante
Portas com vão de 90 centímetros e pia com torneira de fácil acionamento e altura na medida do cadeirante

Detalhe: a construtura não pode cobrar NADA a mais pelas medidas de acessibilidade. Uma grande vantagem de comprar na planta é que, caso algo não tenha sido feito a contento, o proprietário pode recusar o recebimento da chave!

Mas, resolver apenas a questão da unidade habitacional do cidadão “estropiado” não é garantia de uma moradia com ampla e irrestrita condição de acesso. É preciso ficar de olho no trabalho feito na área comum. Quando se detecta que “fizeram xixi fora do penico” na área de lazer, por exemplo, é possível cobrar uma providência inclusiva no ato. Caso não seja realizada, até um embargo na obra é factível.

Novamente, no meu caso, notei, durante o período de obras, que o vestiário das piscinas e a sauna (ui 😳 ) não abrigariam um rapazinho que vive assim sobre rodas, como eu. O engenheiro reconheceu o problema e todo o “complexo” molhado (tô fino, né?) foi redesenhado com acessibilidade bacana!

IMG_4021
Vestiário de “malacabados”

Para a minha surpresa (e avalio que isso abra precedentes para todos os “malacabados” do país), a construtora equipou as piscinas dos prédios com… ELEVADORES HIDRÁULICOS! Como as pessoas com deficiência do Brasil só costumam levar bordoadas, fiquei eufórico com a medida, que, no fundo, é puro cumprimento da lei, uma vez que eu também tenho o direito de entrar e sair quando bem entender das piscinas.

Elevador hidráulico na piscina externa
Elevador hidráulico na piscina externa

O equipamento é bem simples, funciona bem, aguenta 120 quilos (ou seja, me leva facinho, porque sou leeeeve 😎 )  e é importado da Espanha. Até agora, não tenho queixas e estou sempre molhando as partes kkkkkkkk…

Elevador hidráulico da piscina interna, suporta até 120 quilos e funciona apenas com água
Elevador da piscina interna, suporta até 120 quilos e funciona apenas com água

O condomínio foi todo projetado para não ter degraus ou, quando esses eram fundamentais, rampas de acesso foram construídas, inclusive quando a elevação era pequena.

Área comum não tem degraus ou obstáculos
Área comum não tem degraus ou obstáculos

Todas as portas das áreas comuns possuem vão largo, as placas de informação possuem escrita em braile, os botões dos elevadores foram colocados a uma altura bem confortável para um cadeirante, assim como a caixa de correios, e a demarcação de vagas reservadas na garagem seguiu o padrão técnico da ABNT e a recomendação legal.

Espaços com descrição em braile
Espaços com descrição em braile
Botões dos elevadores estão em altura confortável

Nenhum favor me foi feito. Paguei pelo “apê” exatamente como os demais moradores e tenho de ser respeitado em minhas necessidades pontuais que também é a de milhares de outras pessoas. As medidas de acessibilidade não só vão tornar meu ir e vir mais tranquilo, como auxiliar também o trânsito de carrinhos de bebês, idosos e pessoas com mobilidade reduzida temporária.

Caixa de correios em altura apropriada
Caixa de correios em altura apropriada
Vaga demarcada seguindo normas da ABNT
Vaga demarcada seguindo normas da ABNT

Os meios legais estão aí para garantir mais qualidade de vida, é preciso tê-los sempre à mão, empunhá-los e fazer com que a sociedade, em todas as suas representações, não só os cumpra como os entenda e pratique!

Blogs da Folha

Versão impressa

Publicidade
Publicidade
Publicidade