Jairo Marques

Assim como você

 -

Jairo Marques, que é cadeirante, aborda aspectos da vida de pessoas com deficiência e de cidadania. Aqui, você encontra histórias de gente que, apesar de diferenças físicas, sensoriais, intelectuais ou de idade, vive de forma plena.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

“Achados” da inclusão

Por Jairo Marques

Meu poooovo, como diria o rei Roberto Carlos, “eu volteeeei… voltei para ficar” kkkkkk… Depois de “uma semaninha” de férias, retomo as atividades aqui no blog. Peço um pouco de paciência para quem me mandou email com pedido ou sugestões por esses dias. Logo colocarei tudo em dia.

Nesta semana, farei um apanhado sobre os “achados” da inclusão que me deparei durante esse período de descanso! Aêêêê

Fui passear pela Serra Gaúcha. Percorremos de charanga milhares de quilômetros para curtir o friozinho e desbravar essa região tão bonita do país.

Um ponto bastante positivo e que falarei mais sobre isso no futuro são as condições de acessibilidade de postos de beira de estrada. Parei em diversos para usar a casinha 😯 e em sempre encontrei acessibilidade básica: banheiro ok, pessoas preparadas para dar atenção, abrir portas quando necessário…

Neste posto de uma rede paranaense, bem pertinho de Curitiba (PR), fiquei surpreso com o nível de inclusão: no WC, não se esqueceram de botar a adaptação da válvula de descarga para facilitar o acionamento para quem tem os braços ‘mamolengos’ e também na torneira da pia.

Na válvula de descarga, uma adaptação simples ajuda a vida de pessoas com menor força nos braços e mãos!
Na válvula de descarga, uma adaptação simples ajuda a vida de pessoas com menor força nos braços e mãos!

Isso sem falar no tamanho do local, onde é possível dançar um arrasta pé dos bons! O local estava limpo, não era utilizado de depósito e estava muito bem localizado. 😎

Na torneira da pia, uma pequena alavanca resolve muito!
Na torneira da pia, uma pequena alavanca resolve muito!

A primeira parada para descanso mais longo e passeio na minha viagem foi em Blumenau (SC). “Sem querer”, rolava por lá uma festa para comemorar os 12 anos de uma cervejaria local… fiz o favor de dar uma passadinha lá para ‘celebrar’ de leve, como podem ver na fota abaixo… :mrgreen:

Tio Jairo com cara de menino que fez arte degustando dois choppinhos de uma só vez...
Tio Jairo com cara de menino que fez arte degustando dois choppinhos de uma só vez…

Blumenau não tem grandes destaques inclusivos. Há rampas em regiões mais movimentas e turísticas, mas as calçadas padecem do desleixo geral dos passeios de todo o país.

Mas o que me chamou mesmo a atenção foi essa “obra” arquitetônica que me deparei no quarto acessível do hotel, o Íbis Blumenau. Geralmente, escolho hotéis da rede porque são padronizados e o perigo de errar é pequeno… massssss…

O banheiro do quarto foi desenhado de uma maneira absurda, que foge a qualquer lógica. Gravei um videozinho rápido para que “ceitudo” tenham uma noção maior do que rola por lá!

Impossível, neste caso, que um cadeirante consiga entrar no box de banho, que tem uma rampa e cuja cadeira está do lado de fora, sozinho…

Aliás, uma coisa que não tem nada a ver com a acessibilidade, mas que também é bizarra: a pia e, consequentemente, o espelho do banheiro ficam bem frente ao… vaso sanitário… dá para você se apreciar enquanto… pensa na vida!!!! 🙂

Ahhhh, fafavor! Ou o brasileiro toma banho de canequinha na pia ou fica sujão. (No meu caso, pedi uma ajudinha pra minha deusa, mesmo  😳 )

Uma rampa para entrar no box? Invenção das mais malucas... e como entrar no local com uma cadeira de rodas?
Uma rampa para entrar no box? Invenção das mais malucas… e como entrar no local com uma cadeira de rodas?

Fiz uma reclamação formal à rede Accor sobre as condições do banheiro, que impede a autonomia de uma pessoa com deficiência. Ainda não me deram nenhuma resposta.

Banco de banho do lado de fora de box.. me digam, para quê?
Banco de banho do lado de fora de box.. me digam, para quê?

Em Caxias do Sul, já no Rio Grande do Sul, no hotel da mesma rede, a arquitetura da casinha seguiu a mesma arquitetura desarranjada… Aí não pode… não é possível fazer “o que dá”… é preciso planejar para fazer o ideal, o usual e o cômodo para as pessoas!

Ao longo da semana, conto mais sobre as férias! Tem surpresas beeeem legais!

Blogs da Folha

Versão impressa

Publicidade
Publicidade
Publicidade