Jairo Marques

Assim como você

 -

Jairo Marques, que é cadeirante, aborda aspectos da vida de pessoas com deficiência e de cidadania. Aqui, você encontra histórias de gente que, apesar de diferenças físicas, sensoriais, intelectuais ou de idade, vive de forma plena.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Cuidados no desespero

Por Jairo Marques

“Zimininos”, é bem ‘complicoso’ ter de travar essa discussão, uma vez que ela mexe com sensibilidades diversas do povão que não anda, não escuta, não vê e nem nada 😛 , mas vamos lá, vamos tentar informar.

É muito natural que, no começo de qualquer desgraceira na vida que vá gerar uma deficiência -ou no curso dos desdobramentos dela- o povo “malacabado” e seus familiares queiram tomar decisões que vão ter implicações por muuuitos anos.

Essas decisões envolvem procedimentos médicos, maneiras de levar a vida, atitudes financeiras ou de gestão do dia a dia, comprometimentos com instituições de auxílio entre outras medidas.

“Tio, cê bebeu rabo de galo no findi? Tô entendendo é nada”

Suponhamos que uma pessoa seja vítima de um acidente ou enfermidade que comprometa seriamente seu “sistema xixizal”, que a pessoa passe a não contar mais com a habilidade de urinar da forma natural (com o bingolim ou com a perseguida 😯 ) …

Nesse momento, soluções as mais variadas podem surgir como opção para “facilitar o xixo” do brasileiro. Existe, inclusive, um procedimento chamado ‘ vesicostomia’, que consiste na abertura da parede do abdome, chegando até a bexiga. Para aliviar, então, toca mandar brasa num “canudinho” ali nesse canal.

É preciso analisar muito criteriosamente, com os médicos, se o procedimento é mesmo a única saída, afinal, o “furo” ficará na barriga para sempre.

No intuito de facilitar o dia a dia hoje, pode se comprometer algo para o futuro. Evidentemente que deve haver casos em que apenas o tal procedimento vai resolver a situação, mas sei bem que a proposta do “comodismo” é sempre apresentada para quem tem uma deficiência.

cuidado

O choque quando se está em uma situação limite, vulgo, a casa está caindo 😀 , pode cegar a razão, pode encaminhar a gente para decisões que não estamos devidamente seguras para tomá-las.

A publicitária Lak Lobato, conhecida de todas as horas aqui do blog e autora do “Desculpe, não ouvi”, tomou a decisão de fazer uma cirurgia de “implante coclear”, que é bastante invasiva, mas que mudaria a vida auditiva dela positivamente.

Para isso, ela pesquisou, pensou, foi atrás. Apenas a “promessa” de ter mais qualidade de vida não foi suficiente para que ela seguisse em frente com a ideia, que pode servir ou não a uma pessoa.

Deficiência deixa o cidadão muito vulnerável. Todo mundo quer “voltar a”, todo mundo quer a chance de se “igualar à normalidade” dos outros, então, as propostas que seduzem a melhorar o quadro sempre são tentadoras.

Cabe a cada “estropiado” buscar a fundo informações, pesquisar, conversar com outras pessoas antes de tomar decisões, por mais urgentes que elas possam parecer. Toda pessoa com deficiência sabe o quanto os outros teimam em achar que sabem o que é melhor para elas e o quanto os outros querem tomar decisões por elas….

Isso pode ser desastroso, sobretudo quando crianças são os “alvos”. É legítimo que os pais queiram buscar o melhor para seus filhos, mas isso também deve ser analisado com cautela, com profundidade e com noção de tempo. Aquela medida é boa para aquele momento ou para a vida toda? Uma possível dor valerá a pena? É mesmo necessário tomar a atitude agora?!

Por mais absurdo que pareça, até no desespero precisamos tomar cuidado… cuidado para fazer a coisa mais certa possível.

Blogs da Folha