Jairo Marques

Assim como você

 -

Jairo Marques, que é cadeirante, aborda aspectos da vida de pessoas com deficiência e de cidadania. Aqui, você encontra histórias de gente que, apesar de diferenças físicas, sensoriais, intelectuais ou de idade, vive de forma plena.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

10 dicas para se dar bem com um autista!

Por Jairo Marques

 

Sim, eu não tomo jeito! Embora tenho levado uma saraivada de pontapés quando me atrevi a falar sobre autismo aqui no blog (clica na florzinha e leia ), resolvi retomar o tema hoje, bem de leve (mentiiiiira 😛 ) para lembrar o Dia Internacional de Conscientização sobre o Autismo.

 A real, meu povo, é que embora o tema tenha se avolumado em sociedade, ninguém sabe, de modo geral, patavinas sobre como se relacionar com uma pessoa do espectro autista.

As evoluções desse grupo estão relacionadas muito mais a avanços de demandas próprias relativas à saúde, educação (não menos importantes), do que em aspectos de inclusão de verdade.

E é justamente no espírito de “conscientizar”, de envolver a todos na labuta de abraçar com mais propriedade os “zimininos tchubes”, que chamei o meu amigo Manuel Vazquez Gil, psicólogo, psicanalista e pai de um garoto com autismo para colaborar nessas dicas!

Não temos nenhuma pretensão minimamente científica e entendemos que há diferentes graus de autismo. O post trata apenas de “dicas” para pensar, de maneiras de agir e de mudar pensamentos.

O “Manu” tem larga experiência com o público autista e é um dos camaradas mais inteligentes que conheço, logo, estou bem assessorado! 😎 Caso tenham mais dicas ou dúvidas, manda ver nos comentários!

10 dicas para se dar bem com um autista! 

1 – O que eu faço quando meu “brodi” autista começa a bater a cabeça na parede?

 Explique que esse troço dói pra dedéu. Ao autista pode ser permitido quase tudo, menos se machucar ou machucar alguém. É preciso conte-lo, mas sempre buscando as razões desse comportamento para que não aconteça mais.

 2 – Eu vou entender o raciocínio dele ou devo fingir que tá todo mundo louco e beleza?

 O problema é que o raciocínio dele é mais lógico que o seu e é preciso se reprogramar para compreende-lo. Mas é preciso, porque a vida tem que ter lógica! 😉

pensamento

 3 – Quando um autista começa a fazer algo repetidas vezes, devo me afastar pra “não pegar”?

 Ao contrário, devo me aproximar e imitar. Assim ele tem certeza de que alguém entende sua linguagem ou que, pelo menos, tem alguém tão doidinho quanto ele. Ambas as hipóteses servem para estreitar o vínculo.

 4 – Dizem que há autistas inteligentíssimos, por que, então, alguns não falam com a gente?

 Inteligência é a capacidade de se adaptar ao meio. Autistas têm performances cognitivas altas, mas não inteligência alta. Alguns não falam, mas há “mudos” inteligentes, linguagem oral não é medida cognitiva.

 5 – Tenho um colega autista na escola, ele deve ser olhado como café-com-leite ou rola uma amizade?

 Tem que rolar amizade, ele é o cara que vai ensinar matemática, física e tolerância com as diferenças!

amigos

 6 – Autista é meio infantil? Devo falar com ele como se fosse criança?

 Autista é mais responsável que eu, e tem o vocabulário de adulto. Acho que é ele que me acha infantil.

 7 – Autista é meio na dele, né? Tenho que manter distância?

 Autista respeita distância, por isso não se aproxima. Se eu me aproximar com jeito, ele não me larga mais (no bom sentido! 😉 ).

 8 – Quando o autista tiver uma daquelas crises de novela, com os pensamentos girando, devo me mandar e chamar o Samu?

 Raramente autista tem crises de novela. Quando tem, é porque o ambiente está ruim pra ele, e vai ficar pior no Samu. Melhor achar o que incomoda e consertar.

ambulancia

 9 – Autista consegue estudar, trabalhar se relacionar ou deve ser guardado na geladeira?

 Autista é gente, ser humano. Pode estudar, trabalhar, namorar, se pintar compreensão do grupo social ao qual pertence.

 10 – É verdade que autista não saca nada de ironia e devo medir as palavras, tipo “tchube”, com ele?

 Se a ironia tiver lógica, autista pesca; se for uma frase com ironia, mas sem lógica, não pesca. Não é que ele tenha medo que vá chover canivetes, ele não sai para ver porque sabe que canivete não cai do céu.

* Imagens do Google Imagens

Blogs da Folha