Jairo Marques

Assim como você

 -

Jairo Marques, que é cadeirante, aborda aspectos da vida de pessoas com deficiência e de cidadania. Aqui, você encontra histórias de gente que, apesar de diferenças físicas, sensoriais, intelectuais ou de idade, vive de forma plena.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

A sala dos bobos

Por Folha

Tia Dulce, a professora mais boazinha e paciente do colégio, era a escalada para cuidar da sala onde eram alojadas todas as crianças que alguém, por motivos torpes quaisquer, considerava “especiais”.

A sala dos bobos ficava bem próxima à da direção, caso algum dos malucões que lá brincavam de escola precisasse de mais disciplina. Mas isso raramente acontecia. No máximo, eles gritavam de desespero, como se dissessem “odiamos isso aqui”.

Passar por perto daquele local causava medo nos alunos arrumadinhos. As histórias que se propagavam durante o recreio do que acontecia com aquela gente eram terríveis.

“Eles babam tudinho nas carteiras”, “eles têm olhares esquisitos”, “eles brincam com insetos”, “eles gritam e são sujões”, “eles só veem figurinhas e comem o caderno”.

Tudo era feito para que os alunos limpinhos não trombassem com os “especiais”, pois poderia causar pânico ou um trauma. Era preciso separar, deixar aquele povo em
seu devido lugar, de preferência um lugar reservado, que protegesse os normais.

Só consegui escapar da sala dos bobos porque minha mãe trabalhava no colégio e fez um barraco dizendo que eu era bem próximo de ser gente, apenas era prejudicado das partes, e não merecia aquele castigo.

Eu não era down, não era “tchube das ideias”, não era autista, não tinha paralisia cerebral, não tinha, aparentemente, retardo intelectual que me fizesse receber a tatuagem de estranho.

Na sala dos bobos só bobices eram aceitas e pouco importava se, para eles, aquilo tinha valor de cidadania, valor de conhecimento. Era apenas uma forma de dar um sossego para os pais.

O sucesso das salas dos bobos foi tão grande que alguém teve a genial ideia de criar a escola dos bobos, um local inteirinho dedicado aos “especiais”! Acabaria ali, “difinitivamente”, como diria minha tia Filinha, o inconveniente de fazer um normal ter de interagir, a fórceps, com aqueles meninos e meninas diferentes.

O mais interessante é que idealizadores, apoiadores e depositante de pessoas nesses recintos propagam maravilhas do modelo que, tirando o paetê e a purpurina, poderia ser visto como sádico.

É ali que o “especial” aprende, é ali que o “especial” se sente bem, é ali que existem pessoas capazes de entendê-los e de respeitá-los, é ali que estão protegidos desse mundo cheio de pessoas perversas e sem defeitos.

Governos também curtem as escolas especiais. É uma excelente maneira de empurrar diferenças para debaixo do tapete e uma forma batuta de dar argumentos a diretores de ensino que não sabem o que fazer com um menino com alguma deficiência intelectual.

“Aqui não é lugar para ele, não temos como lidar com isso que ele tem e não há professores capacitados para tratar dele. Ele precisa de um canto especial.”

Até quando o “serumano” irá negar que apenas o todo mundo junto faz evoluir conceitos como igualdade, tolerância e humanidade e irá inventar formas de apartar pessoas?

Escola especial pode ser até complementar, ser mecanismo de apoio, nunca um rumo concreto para direcionar o futuro de pessoas. Simplesmente pessoas.

Blogs da Folha