Jairo Marques

Assim como você

 -

Jairo Marques, que é cadeirante, aborda aspectos da vida de pessoas com deficiência e de cidadania. Aqui, você encontra histórias de gente que, apesar de diferenças físicas, sensoriais, intelectuais ou de idade, vive de forma plena.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

Muito além de apenas sexo

Por Jairo Marques

Finalmente, consegui ver “As Sessões”, atualmente, em vários cinemas do país e concorrente ao Oscar de melhor atriz coadjuvante, com Helen Hunt. O filme me foi mais recomendado que banho de sal grosso pra olho gordo… 😆

Claro, o tema central da trama é a vida de um “malacabado”, daqueles beeeeem arruinados mesmo, que dão mais trabalho que um tanque cheio de roupa suja…

O ponto alto: a busca do personagem principal, Mark O´Brien, por uma realização sexual. Ele teve paralisia infantil grave e ficou absolutamente dependente de todos, vivendo em uma maca e tendo de respirar por meio de uma geringonça imensa.

De cara, o filme pisa no calo e pega um montão de pessoas com deficiência ou que, por alguma razão, tenha algum tipo de obstáculo para atingir o gol na cama, um rala e rola, uma funfada!

Como alguém com restrições severas de movimentos conquista alguém ao ponto de conseguir transar com ela? Será que sexo é algo para os fortes, para os certinhos e para os completinhos?

Caso não consiga um “alguém especial”, é legítimo e bacana contratar um serviço para satisfazer o tesão que é algo nato, saudável e gostoso de todo “serumano”?

Morre-se virgem e angustiado com o mundo?

“As Sessões” expõe uma situação que muitos preferem criar falsos moralismos ou esconder de baixo do tapete para botar na mesa: como resolver a vida sexual daqueles que mal conseguem tocar no “bilau” ou na “perseguida”. 😯

“Zimininos”, eu vibrei com o desenrolar do filme, que vai ganhando complexidade à medida que Mark vai chegando mais perto daquilo que tanto quer: dar uma trepada, seja com quem for.

Mistura-se a isso religiosidade, pois o danado do aleijado para tudo o que faz se confessa com um padre, sentimentos românticos e relacionamentos.

“Tio, mas falai: só os quebrados vão curtir? E qual a sua impressão disso tudo?”

Certamente que todo mundo vai ser cativado por Mark e por suas dúvidas existências. Sem falar que, o diretor bota na roda a discussão da importância do sexo e as possibilidades de amar.

Para mim, é legítimo que haja um serviço, um puteiro ou o seja lá o que for destinado às pessoas com deficiência. Sexo é algo que enquanto não se faz, pode atormentar  o desenvolvimento emocional, afetivo e de confiança do cidadão.

O filme tem uma sacada incrível no seu desenrolar: mostrar até que ponto é mesmo o vuco-vuco necessário e fundamental para sermos mais HOMENS ou mais MULHERES.

Recomendo fortemente para que vejam e para que reflitam sobre essas questões que “As Sessões” aborda. Para dar uma curiosidade, segue abaixo um trailler legendado! #ficadica

[youtube 6N7TNfgRRX4]

 

 

Blogs da Folha

Versão impressa

Publicidade
Publicidade
Publicidade