Jairo Marques

Assim como você

 -

Jairo Marques, que é cadeirante, aborda aspectos da vida de pessoas com deficiência e de cidadania. Aqui, você encontra histórias de gente que, apesar de diferenças físicas, sensoriais, intelectuais ou de idade, vive de forma plena.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

Intocáveis

Por Jairo Marques

Dá pra lotar um apartamento de 28 metros quadrados de gente que me perguntou se assisti e se gostei do mega sucesso “Intocáveis”, que ainda está rolando em várias salas de cinema do país. 🙄

Para quem não sabe naaaada do filme, abaixo eu coloco um trailer. O resumo é o seguinte: um negão muito do maluco que vira o cuidador de um tetrão muito do lascado.

A dupla vive uma história muito engraçada e, ao mesmo tempo, carregada de emoção e de descobertas. O povo pira com a mistura de sensações ao longo da trama.

Mas vida de “malacabado” é mesmo assim: uma hora a gente tá de calundu por causa dessa estrutura porca que temos de enfrentar todos os dias, na outra a gente se acaba no riso com aquele cidadão que sai nos empurrando na rua da forma mais abestalhada possível. 

O pulo do gato de “Intocáveis” é justamente o avesso de seu título. O filme toca em tudo o que muitos ainda tem dedos (menos os amputados, evidentemente 🙂 ) para debater, para compreender e para falar sobre a vida de uma pessoa com deficiência.

O negão (Driss), que vem de uma realidade duuuuura, brilha no filme justamente com a pegada que eu e dois ou três leitores estamos sempre batalhando para que aconteça: naturalidade no trato com o povo sem perna, sem braço, cegão, surdão e detonados em geral..

 Para Driss, o tetrão Philippe é só um sujeito que não anda e que tem umas necessidades, umas peculiaridades “esquisitas”, tipo não ter sensibilidade nas pernas e precisar de receber comida na boca.

Como conheço lá uma meeeia dúzia de pessoas quebradas dos sentidos e das partes 😯 , muitas das piadas exibidas ali eu já conhecia, já tinha feito e rido um bocado delas. Talvez, por isso, eu não tenha colocado o filme na minha galeria dos “sensacionais”.

O fato de o protagonista do filme (o tetrão) ser milionário, ajuda a ampliar as possibilidades e as fantasias em torno da trama, o que é muito legal, mas distante demais da realidade. Se bem que cinema é para isso mesmo, para viajar!

“Intocáveis” deve ser o representante francês no Oscar e está bombando no mundo todo, mais especialmente no Brasil, o que é formidável, uma vez o filme traz consigo uma reflexão embutida sobre a maneira viciada de se ver as pessoas com deficiência, ver a inclusão e ver as relações humanas.

Quem não viu, indico fortemente. Valem as gargalhadas, os momentos bem bonitos e a reação do público, que, em muitos momentos, parece que não acredita no tipo de abordagem dada pelo diretor!

Ah, e #ficadica para que “ceitudo”, após verem a película, criam suas teorias de o porque do título do filme. Quem já viu, deixe sua opinião nos coments para debatermos! Já escutei diversas razões para o nome “Intocáveis”… uma melhor que a outra! 

[youtube FpwuGtn8aGA]

Blogs da Folha

Versão impressa

Publicidade
Publicidade
Publicidade