Jairo Marques

Assim como você

 -

Jairo Marques, que é cadeirante, aborda aspectos da vida de pessoas com deficiência e de cidadania. Aqui, você encontra histórias de gente que, apesar de diferenças físicas, sensoriais, intelectuais ou de idade, vive de forma plena.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Para as “Marias”

Por Jairo Marques

A primeira mãe cadeirante que tive um contato mais próximo nessa minha vida “malacabada” foi a consultora Carolina Ignarra, que gerou a pequena Clara.

Não vou esconder. Achei incrível total, ela conseguir manter a guria ‘firminha’ em seu colo ao mesmo tempo em que tocava a cadeira toda faceira.

Pezinhos de Clara e Carol

Porém, mais do que guardar na mente uma imagem de algo aparentemente inusitado, guardei uma expressão de segurança e de seriedade no trato da moça com sua cria.

E tem de ser assim mesmo. Mãe que tem deficiência está sempre “correndo o risco” de ser desacreditada pelos outros no trato de seus filhos.

Clara e Carol abraçadas

No senso comum seria uma pessoa “frágil” tentando cuidar de outra. Mas gente instruída e informada sabe do poder da natureza e da sapiência humana que jamais deixa a gente na mão. Usa-se caminhos diferentes para se chegar num mesmo objetivo, para atingir um mesmo sonho.

Somente mais tarde fui ter proximidade de outra mãe – ou outra Maria? – que tocava rodas. A jornalista Flávia Cintra, que bota para ‘nanar’ todos os dias o Matheus e a Mariana, irmãos gêmeos.

Mariana e Matheus correm em um parque

Se a Carol já havia me deixado biruta com meus pensamentos, Flávia enlouqueceu de vez. Tetraplégica e montada em uma “cadeira elétrica”, com várias funções do dia a dia auxiliada por outros, acomodava seus dois filhotes, cada um em uma perna, laçados com braços muito fortes, funcionais, mas parcialmente atrofiados.

Dela, eu “roubei” pra mim que parte do segredo está na variação e sedução da voz e nos movimentos firmes e bem desenhados dos olhos. As crianças dessa moça emocionam a gente com um carinho raro, com um respeito intrínseco às condições da mãe, com o aprendizado de berço.

Tatiana Rolim e Flávia Cintra com suas filhas Maria e Mariana

Atualmente, são muitas as mães cadeirantes que circulam por minha rota de existência e sigo aprendendo de maneira inspiradora, honesta e inteligente com elas.

Agora, mais do que nunca, essas experiências humanas tão profundas e valiosas vão estar ao alcance de todos.

Idealizado pela psicóloga Tatiana Rolim, chega às livrarias do Brasil nesta semana a obra “Maria de Rodas” – Delícias e desafios na maternidade de mulheres cadeirantes

Tatiana Rolim e sua filha Maria

Juntaram-se ao trio nessa aventura inédita de contar detalhes de algo que o grande público ainda desconhece como realidade factível, a jornalista Juliana Oliveira e a administradora Katya Hemelrijk.

Cada uma delas narra na obra, que será lançada na próxima quarta-feira (10), no Museu do Futebol, em São Paulo, suas experiências, aventuras e desventuras na arte de trocar fraudas … 😀

Convite para o lançamento do livro "Maria de Rodas"

Penso que uma leitura dessas eleva a vida de qualquer pessoa não pelo “exemplo”, mas pela inspiração, pela capacidade de amar, pelo incentivo a enfrentar o “difícil”, pela formidável gana de celebrar a vida.

Em breve, coloco aqui na aba do blog o livro “proceis tudo” terem em casa!!!!

Blogs da Folha