Jairo Marques

Assim como você

 -

Jairo Marques, que é cadeirante, aborda aspectos da vida de pessoas com deficiência e de cidadania. Aqui, você encontra histórias de gente que, apesar de diferenças físicas, sensoriais, intelectuais ou de idade, vive de forma plena.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

A viagem para um “anjo”

Por Jairo Marques

 

Quantas expectativas envolvem uma viagem, né, não, meu povo?! A gente vira o pensamento para encontrar grandes novidades, visuais “maraviwonderfuls”, comidas novas, pessoas diferentes.

 

Às vezes, a gente viaja para ver ou rever alguém. Viaja para falar, viaja para ouvir, viaja para matar a ‘xodades’ da terra de infância ou para prestigiar a festa de formatura do primo…

 

Mas o que tenho para contar hoje é uma viagem que, para parte importante das pessoas, é um tanto inusitada: a Maria Rita de Paiva Souza, 29, psicóloga aqui de São Paulo, está indo viajar, nesta semana, para buscar … um anjo!

 

 

 

Quer dizer….  

 

“Estou indo buscar meu anjo de quatro patas! Após quatro anos de espera, chegou a minha vez! Estou indo a Michigan, nos EUA, na escola Leader Dogs, atrás do meu tão sonhado anjo de quatro patas, o meu primeiro cão-guia.

 

Meu coração tá acelerado, viajarei em menos de uma semana e é uma mistura de emoções. Preocupação com a mala, pois será um mês e é difícil pensar em roupas coordenáveis entre si para um período tão longo.”

 

A maioria das pessoas não tem noção da importante de um peludo na vida dos cegões, por mais que o bem que esses bichos podem representar já tenha sido falado em prosa e verso.

 

No Brasil, agora existem algumas iniciativas de treinamento dos “au-aus”, mas ainda estamos looonge de conseguir atender a demanda “zigante” dos ‘menino’ das vistas prejudicadas por esses guias tão eficientes e libertadores.

 

“Estou conseguindo realizar esse sonho graças ao Íris (Instituto de Responsabilidade e Inclusão Social). Fiz meu cadastro para adquirir um cão guia em 2008, e fui sempre acompanhando o Instituto.

 

Infelizmente a fila é grande, cerca de 3.000 pessoas e o patrocínio é pouco para a demanda que temos. Não é fácil adquirir um cão-guia, pois aqui no Brasil são pouquíssimas escolas especializadas nesse treinamento.

Logotipo do Instituto Íris. Um olho estilizado e a palavra Iris em branco em um fundo laranja

 

 

Fora do país, também está bem complicado, pois devido à crise mundial instalada em 2008, as escolas passaram a restringir o acesso de estrangeiros.

 

Assim, fui acompanhando o Íris, seria a única maneira de conseguir meu cão. Confesso que houve momentos em que desanimei bastante, achava que nunca iria conseguir.

 

Porém, quando soube que o Iris estava pretendendo levar uma turma em 2012, minha empolgação retornou, pois passei por uma seleção com avaliação e deu tudo certo, havia chegado o meu momento.

Não me canso de agradecer ao Íris por estar me proporcionando essa conquista e quero divulgar ao máximo o trabalho deles para que cada vez consigam mais patrocínio e, assim, levar mais pessoas para lá, pois como eu, gostaria que todos pudessem ter essa oportunidade.”

 

Eu sou fã do trabalho e das pessoas do Íris, que já falei um bocado aqui no blog… todos gente do bem e empenhados ao máximo para tentar fazer a vida dos cegões mais “bacanudas”.

 

Será que no encontro do blog, ano que vem, a gente vai poder paparicar o cachorrão da Rita?! 😉 . Neste ano, foram quatro abanadores de rabo para dentro da “balada”… um luxo!

 

 

 

 

“Fora a euforia por esse momento tão esperado estar chegando e ansiedade para saber quem será meu amigão. Junto a isso, sinto uma imensa felicidade porque tenho certeza que esse ser tão importante vai mudar a minha vida.

 

 Às vezes, sinto que é como um filho, não importa a raça, a cor, o sexo, o importante é que ele está para chegar. Outras vezes tenho a sensação que estarei buscando um anjo que irá mudar a minha vida para muito melhor.”

Com um cão treinado, minha gente, o cego se sente mais seguro de ir daqui para acolá, para andar na rua, para viajar, para frequentar lugares de grande movimentação, para ter um dia a dia mais, digamos, relaxado…

“O meu anjo de patas me dará uma liberdade tão sonhada, uma grande independência e consequentemente uma melhora na qualidade de vida.

 

Vou passar meu aniversário de 30 anos lá nos EUA e não tenho dúvidas que será meu melhor presente. Estou em uma contagem regressiva só esperando o grande acontecimento da minha vida e compartilhar essa alegria com as pessoas é muito bom.”

 

 Quando se entende as diferenças, as necessidades distintas das pessoas e seus instrumentos fundamentais para a interação mais completa com o mundo, a gente também viaja!

 

 

 

Viaja em realizações, em igualdade, em oportunidades mais equânimes para que todos possam desfrutar melhor esse mundão delícia!

 

Desejo toda a sorte do mundo para a Maria, que depois vai mandar uma fota de seu fofucho aqui pra gente… Ela terminou a carta assim:

“Deixo aqui uma frase: ‘Viver é planejar, desejar algo e buscar realizações.’ Desejei muito esse cãozinho, me planejei para isso e agora vou realizar esse grande sonho.

 

Me sinto abençoada por Deus por estar tendo essa oportunidade maravilhosa!”

* Imagens de arquivo pessoal

Blogs da Folha