Jairo Marques

Assim como você

 -

Jairo Marques, que é cadeirante, aborda aspectos da vida de deficientes e de cidadania. Aqui, você encontra histórias de gente que, apesar de diferenças físicas, sensoriais, intelectuais ou de idade, vive de forma plena.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Cartilha gratuita orienta ‘malacabadinhos’ sobre a hora de fazer xixi e cuidados com a bexiga

Uma série de pessoas do universo das deficiências físicas acaba por ter comprometimento das faculdades mictórias… ou seja, deixam de controlar a bexiga, não conseguem ao certo saber a hora de dar uma aliviada, fazer um xixo. Em adultos, uma série de técnicas é ensinada e aprimora-se as táticas de perceber que é hora de(…)

TV britânica promete nova cobertura histórica de Jogos Paraolímpicos; Assista trailer

O Channel 4, canal de televisão britânico, marcou a história dos Jogos Paraolímpicos com a cobertura que fez em Londres, em 2012. Além da cobertura ao vivo das mais diversas competições, a emissora dedicou a maior parte de sua programação para falar sobre inclusão, projetos sociais voltados à diversidade e para mesas redondas que debatiam(…)

Curiosidade e delicadeza

Em uma entrevista histórica conduzida por Clarice Lispector com o gênio Vinicius de Moraes, em 1979, o poeta surpreende o ritmo da conversa soltando a frase:”Tenho tanta ternura pela sua mão queimada”. O que poderia ser oportunidade para sanar uma curiosidade ou alguma inquietação sobre as marcas da escritora, que anos antes havia se ferido(…)

Paraty para todos

Uma senhora se escorava nas paredes de um casario para manter-se em pé, uma moça fazia um balé sem harmonia para andar por mais uma quadra, eu, a bordo de minha cadeira de rodas, era acudido por um bombeirão gente boa para conseguir vencer poucos metros de passeio. Aquilo que chamam de calçada e rua,(…)

Bote seu sangue na rede

Elis entrou na fase que muitos, inclusive leitores deste espaço, me alertavam havia tempos que chegaria: a do demônio da tasmânia. Não para quieta um segundo, zanza a casa toda, louca, com sorriso desatado e olhos inquietos, em busca de sabe-se Deus o que será. As consequências não poderiam ser mais previsíveis também. Na semana(…)

Por que tamanha judiação?

A festa de São João em Campina Grande, na Paraíba, badalada por ser uma das maiores do mundo, vai ter um toque de tristeza neste ano. Arde no peito dos paraibanos a dor de abrigarem centenas de bebês com microcefalia, que, em vez de acompanharem o foguetório explodindo ao luar, vão lutar mais um dia(…)

A onda dos food trucks e a ressaca da inclusão

Meu povo, em grandes cidades brasileira, já há alguns meses, existe uma onda “bacanuda” de liberar caminhões de comida, chicosamente chamados de “food trucks”, a venderem rango pelas ruas de forma mais segura que as barriquinhas clandestinas, com praticidade e preços competitivos. “Tio, agora você vai deixar os malacabados e escrever sobre gastronomia? Num é(…)

O pai da noiva

Fico igual a um marimbondão preto quando preciso participar de celebrações dessas que exigem traje a rigor e são cheias de marcações bestas, como apresentação de discursos empolados, a hora de entoar a dancinha da moda, a liberação para avançar na comida. Um tanto de meu calundu vem do fato de que colocar um cabra(…)

Entre o invisível e o excêntrico

No universo do povo “malacabado”, há dois extremos com maior dificuldade de compreensão pelo “serumano” tido como normal: a severidade ou a brandura de avarias em condições físicas, sensoriais ou intelectuais. Se o indivíduo babou demais pelo canto da boca, demorou muito para responder a uma pergunta ou não se manifestou da maneira mais óbvia(…)

Blogs da Folha